Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Uma projeção de um centro de estudos ligado à Universidade de Washington, nos Estados Unidos, aponta que o Brasil chegará a mais de 560 mil mortes por Covid-19 até o dia 1º de julho.

O país acumula atualmente 331.433 vítimas na pandemia, segundo o Ministério da Saúde, porém a média de mortes vinha crescendo de forma quase ininterrupta até o feriado da Semana Santa, que derrubou os números devido à redução da força de trabalho nos laboratórios.

De acordo com o Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME), centro de estudos da Universidade de Washington que vem fazendo projeções confiáveis sobre a pandemia, o Brasil vai chegar a 562.863 mortes por covid-19 no dia 1º de julho.

No entanto, o IHME aponta que, no pior cenário, que prevê queda dos índices de isolamento entre pessoas vacinadas, a projeção é de 597.790 óbitos causados pelo novo coronavírus até 1º de julho. Já na projeção mais otimista, com uso de máscaras em público por 95% das pessoas, essa cifra seria de 507.752 vítimas.

No cenário atual, o Brasil vai ultrapassar os EUA em números absolutos de mortes por covid em agosto e em cifras relativas, que levam em conta o tamanho da população, em meados de abril.

Contudo, talvez o próprio IHME tenha de rever suas projeções. E para pior. O instituto previa que o Brasil atingiria o pico de mortes diárias em 24 de abril, com cerca de 4 mil vítimas, porém o país já bateu a marca de 3.869 em 31 de março – no pior cenário traçado pelo IHME, essa cifra só seria superada em 23 de abril.

Além disso, o instituto projeta que o país terá cerca de 100 mil mortos apenas neste mês, independentemente do cenário.

(Ansa) 

Compartilhar via: