Um levantamento realizado junto ao portal da transparência da ARPAN (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais), revela que na Região Metropolitana do Vale do Aço, a cidade de Coronel Fabriciano teve um aumento significativo de mortes em decorrência de problemas respiratórios em relação ao mesmo período do ano passado.

No mesmo portal há uma página especial Covid-19, onde o cidadão pode acessar os dados de óbitos relacionados a doenças respiratórias e cardiovasculares. Os dados são contabilizados a partir do dia 16 de março, data em que ocorreram os primeiros registros de mortes por covid-19 no Brasil.

Na região do Vale do Aço, de acordo com o portal, o número de mortes por Covid-19 das três cidades com maior população somam um total de 62 óbitos até o dia 07 de julho. No período de amostragem do portal da transparência dos cartórios de registro Civil do Brasil, o número de mortes por causas relacionadas a doenças respiratórias chega a 197 óbitos. Ano passado, no mesmo período, foram registradas 156 mortes, um aumento de 41 óbitos em 2020. Apenas o município de Timóteo registrou queda no número de óbitos por causas respiratórias no período. Ipatinga teve um crescimento de 29,4% enquanto Cel. Fabriciano registrou um aumento de impressionantes 105%. Vale ressaltar que no relatório estão incluídos os óbitos por Covid-19.

Cel. Fabriciano, apesar de apresentar um número relativamente pequeno de mortes por coronavírus (07 de acordo com Central de Informações do Registro Civil – CRC Nacional), registra o maior aumento de óbitos por causas respiratórias na região. Ano passado, o município registrou 20 mortes, sendo 16 por pneumonia e 04 por insuficiência respiratória. Já este ano, foram registradas 41 mortes sendo 25 por pneumonia, 09 por Insuficiência respiratória e 7 por Covid-19 registrados no portal da transparência da ARPAN.

Ipatinga apresentou em 2019 um total de 102 mortes por causas respiratórias, sendo 79 por pneumonia e 23 por insuficiência respiratória. Já em 2020, este número saltou para 132. Foram 62 mortes por pneumonia, 19 por insuficiência respiratória, 02 por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 49 por Covid-19.

Em 2019, Timóteo registrou 34 mortes por causas respiratórias, sendo 19 por pneumonia e 15 por insuficiência respiratória. Neste ano a cidade apresentou um número menor, 24 mortes. Por pneumonia foram 13 óbitos, 05 por insuficiência respiratória e 06 por Covid-19.

Foram considerados somente os óbitos por pneumonia, insuficiência respiratória, Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e Covid-19.

Outras causas que podem estar relacionadas com o novo coronavírus, não foram citadas nesta matéria, mas estão expostas nos gráficos do portal da transparência e você pode conferir logo abaixo:

Coronel Fabriciano

Reprodução Portal de Transparência do Registro Civil

Ipatinga

Reprodução Portal de Transparência do Registro Civil

Timóteo

Reprodução Portal de Transparência do Registro Civil

 

De acordo com os gráficos, também foi possível observar um aumento no número de óbitos nos municípios de Coronel Fabriciano e Timóteo por causa indeterminada e por outras causas (quando o óbito não foi classificado em nenhuma das doenças citadas na matéria), mas que podem estar relacionadas à complicações da Covid-19.

Prazos

A atualização do Portal da Transparência pelos registros de óbitos lavrados pelos Cartórios de Registro Civil obedece a prazos legais.

A família tem até 24h após o falecimento para registrar o óbito em Cartório que, por sua vez, tem até cinco dias para efetuar o registro de óbito, e depois até oito dias para enviar o ato feito à Central Nacional de Informações do Registro Civil (CRC Nacional), que atualiza esta plataforma.

Fonte: Portal da Transparência de Registro Civil 

__________________________

Por: Jefferson Rocha, com colaboração de Flaviana Alves Rodrigues dos Santos

Compartilhar via: