Por Itatiaia BH

Foto: Vinnícius Silva

 

Em jogo de festa no Mineirão com a estreia do terceiro uniforme amarelo fluorescente, o Cruzeiro decepcionou os quase 26 mil torcedores que foram ao estádio ao empatar por 1 a 1 com o Bahia, na noite deste domingo, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar de o time ter chegado ao oitavo jogo de invencibilidade, o resultado freou a reação celeste na luta contra o rebaixamento e impediu a equipe de abrir vantagem para os concorrentes diretos do Z4.

O Bahia saiu na frente no placar após pênalti flagrado pelo árbitro de vídeo. A bola bateu no braço de Orejuela dentro da área bloqueando o chute cruzado de Fernandão. O colombiano, que já tinha cartão amarelo, levou o segundo e foi expulso. O próprio Fernandão foi para a cobrança e marcou aos 20 minutos do segundo tempo.

Mas, aos 28, Sassá deixou tudo igual no Mineirão em um belo chute de fora da área no ângulo do goleiro Douglas.

Se o VAR marcou um pênalti para o Bahia, os cruzeirenses reclamaram de uma falta em David dentro da área não assinalada pelo árbitro de vídeo logo no primeiro minuto da etapa final. No lance, o auxiliar marcou impedimento do atacante, que estava em posição legal.

Com o resultado, o Cruzeiro desperdiçou a chance de abrir distância para a zona de rebaixamento. O time celeste segue na 16ª posição, com 33 pontos, dois a mais que o Fluminense, que também empatou na rodada e abre o Z4. O empate também segurou o Bahia na luta para entrar no grupo dos clubes que se classificam para a Libertadores do ano que vem. A equipe baiana caiu para a 10ª colocação, com 42 pontos, quatro atrás do Internacional.

O Cruzeiro volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h30, para enfrentar o Athletico-PR, em Curitiba. No mesmo dia e horário, o Bahia recebe a Chapecoense, na Fonte Nova.

O jogo

O técnico Abel Braga fez duas mudanças na defesa, com as entradas de Léo no lugar de Fabrício Bruno, suspenso, e de Dodô ganhando uma chance na lateral-esquerdo no lugar de Egídio. Do lado do Bahia, Roger Machado reforçou a marcação no meio-campo e deu um descanso para o centroavante Gilberto, artilheiro do time com 11 gols. Em má fase, deixa espaço para Fernandão.

O primeiro tempo foi equilibrado. O Bahia apresentou uma boa organização em campo, dificultando a troca de passes do time da casa. David, que não balança as redes há sete meses, cabeceou para fora aos 12 minutos após bom cruzamento de Orejuela. Aos 23, o volante Éderson arriscou da entrada da área o chute rasteiro e o goleiro Douglas espalmou para escanteio com a ponta dos dedos.

Com maior volume e mais presença ofensiva, o Cruzeiro animava sua torcida que gritava nas arquibancadas. Ela vibrou aos 28 minutos, quando Fred completou cruzamento da esquerda para as redes. Mas o gol foi anulado, corretamente, por posição de impedimento. Sem caprichar no último passe, o Cruzeiro não finalizou em boas condições de marcar seu gol.

O segundo tempo foi bem mais movimentado. E logo no primeiro minuto David foi lançado por Thiago Neves, invadiu a área e finalizou em cima do goleiro, mas já caindo. O VAR poderia ter chamado o árbitro para assinalar o pênalti, já que o atacante celeste foi atingido por trás em uma das pernas. No entanto, o auxiliar marcou impedimento e o árbitro de vídeo sequer pediu para o juiz de campo esperar para revisar o lance da falta.

Depois, o Cruzeiro voltou a ameaçar aos cinco minutos, num chute de David e que Douglas defendeu em dois tempos. O Bahia respondeu numa cabeçada de Fernandão, aos 11 minutos. Ele subiu sozinho, porém, mandou para fora.

A situação do time celeste, porém, ficou complicada aos 17 minutos. Fernandão chutou e a bola tocou no braço aberto de Orejuela. O árbitro consultou o VAR, conferiu o pênalti e ainda expulsou o lateral, que antes já tinha recebido o cartão amarelo Na cobrança, Fernandão chutou no alto, sem chances para Fábio tentar a defesa aos 20 minutos.

Mesmo com um a menos, o Cruzeiro manteve seu ritmo, conseguindo o empate aos 28 minutos.

Após troca de passes com Thiago Neves, o atacante Sassá chutou no ângulo direito de Douglas. Tudo igual Quatro minutos depois, Abel Braga prefere recompor o setor defensivo. Colocou o lateral Edilson no lugar do atacante Fred, que deixou o campo muito vaiado.

A melhor chance de virar o placar aconteceu aos 38 minutos, quando Dodô levantou e Thiago Neves, dentro da área, cabeceou. O goleiro Douglas tirou com os olhos, porque já estava batido no lance. Renovado no ataque com as entradas de Arthur Caíke, Rogério e Lucca, o Bahia também passou a levar perigo para Fábio A sua melhor chance aconteceu aos 41 minutos, quando Rogério tentou por cobertura e Fábio se esticou para mandar a escanteio

Cruzeiro 1 x 1 Bahia

Cruzeiro: Fábio; Orejuela, Cacá, Léo e Dodô; Henrique, Éderson, Marquinhos Gabriel (Ezequiel), Thiago Neves e David (Sassá); Fred (Edilson). Técnico: Abel Braga

Bahia: Douglas Friedrich; Nino Paraíba, Lucas Fonseca, Juninho e Moisés; Flávio, João Pedro e Marco Antônio (Lucca); Artur, Fernandão (Arthur Caíke) e Élber (Rogério). Técnico: Roger Machado

Motivo: 30ª rodada do Campeonato Brasileiro
Data: 3 de novembro de 2019, domingo, às 19h
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Gols: Fernandão (pênalti – 20’/2º), Sassá (28’/2º)

Cartão Amarelo: Orejuela, Fred, Henrique (Cruzeiro)
Cartão Vermelho: Orejuela (Cruzeiro)

Árbitro: Wagner Reway (PB)
Auxiliares: Bruno Raphael Pires (GO) e Oberto da Silva Santos (PB)
VAR: Paulo Roberto Alves Junior (PR)

Público: 21.933 pagantes / 25.913 presentes
Renda: R$ 395.657,00

Compartilhar via: