Por: Itatiaia BH

Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

 

O vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado, voltou a conceder entrevista coletiva nesta sexta-feira, após um período ausente por ter sido suspenso pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Em meio à crise no clube, o dirigente confirmou a contratação do novo técnico, Abel Braga, analisou a passagem do treinador demitido nessa quinta (26), Rogério Ceni, e confirmou que há atraso de salários e de direitos de imagem.

Confira a entrevista completa:

 

Itair considera que tem feito um bom trabalho e que o desempenho ruim do time é apenas no Campeonato Brasileiro, em que é o 17º colocado, com 20 pontos. Ele afirma que o período de Ceni na Raposa não deu certo (conquistou duas vitórias, dois empates e quatro derrotas) e que Abel, por ser experiente, “é o que a gente está precisando no momento.” O novo comandante chega neste sábado (28), quando já realiza o primeiro treino à frente do Cruzeiro, e tem contrato assinado para até o fim do ano que vem.

Respaldo a Rogério

“Infelizmente, na vida é assim. Foi igual a um casamento que dá errado. Você separa. A gente não quer dar detalhes, por respeito. São coisas internas do clube. Deu errado até em termos de resultado mesmo. Antes de ter o problema no vestiário [após o jogo contra o Ceará] eu já tinha definido que ia tirar.”

“Você não dá respaldo em relação. Você não pega o amor de alguém, o constrói, e a relação, realmente, pelas entrevistas dos dois lados, vocês viram que não estava boa. E eu tenho que olhar o lado do Cruzeiro. Detalhes sobre os bastidores eu não vou dar aqui. O erro foi esse. Os jogadores externaram e o treinador externou. Essas coisas têm que se revolver internamente. Eu fui fiel ao treinador, mas antes de tudo eu fui fiel ao Cruzeiro.”

“Eu propus a ele ‘você quer afastar os dois [Edilson e Thiago Neves]?’ Você quer mais respaldo que isso? Ele falou que não, ‘não quero afastar ninguém e nem multar’. Eu falei ‘então vamos passar um pano por cima disso e trabalhar’. Da minha parte sempre houve respaldo e a cobrança nos jogadores [em todo o elenco] eu fiz ali agora. É inadmissível um clube como o Cruzeiro, em 20 partidas, ganhar quatro.”.

Problema no vestiário

“Ele [Dedé] foi na minha sala e falou que está incomodado com várias fake news falando que ele exigiu escalação de jogadores. O Dedé não fez isso. Eu falei para ele ‘Dedé, hoje temos duas milícias digitais contra o Cruzeiro que ficam plantando as coisas’. Essa de tomar dores de jogador não existe. Se tem um grupo no Brasil que é unido, são os nossos atletas.”

Salários atrasados

“O Cruzeiro é diferente dos outros clubes. Quem adaptou isso foi o ex-presidente [Gilvan de Pinho Tavares]. Seis jogadores recebem [direitos de] imagem. O Cruzeiro tem dois meses atrasados de imagem. O Cruzeiro tem 20 dias de salários atrasados.”

Autoavaliação

“O meu trabalho não está ruim. Eu fui campeão mineiro, [chegamos à] semifinal da Copa do Brasil e estamos mal no Brasileiro. E na Libertadores demos azar no jogo do River. Ser eliminado pelo River não quer dizer que foi incompetência.”

“O que errou e o que não errou é muito relativo. A parte administrativa, se errou ou não errou, não diz respeito a mim. Sei que eu ganhei três títulos, batalhei até hoje para o salário estar em dia. Pegamos o Cruzeiro com seis meses de imagem atrasado e três meses na carteira atrasados. Os jogadores estavam cogitando não se reapresentar em janeiro. Reformulei a Toca toda, com muita luta, com alguns amigos ajudando financeiramente.”

“No departamento de futebol, o que eu acho que está errado pode acontecer com qualquer clube. O clube teve uma ascensão meteórica na Libertadores e fomos eliminados pelo River, que é um grande adversário. Estou sendo massacrado em rede social. Eu fiz um grande serviço no Cruzeiro. O que eu vejo que está errado no momento são os resultados, e vamos reverter isso.”

“Eu fico [no clube] porque o grupo de jogadores pediu para eu ficar, porque eu acredito no meu trabalho e não quero que o time caia para a Série B.”

 

Compartilhar via: