Acompanhe, a partir das 21h, a Jornada Esportiva da Itatiaia, com o 1º Time do Rádio. Narração de Alberto Rodrigues, comentários de Leo Figueiredo e reportagens de Samuel Venâncio e Emerson Pancieri. A ancoragem será de João Vitor Cirilo.

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Luiz Felipe Scolari é a grande e última esperança de o Cruzeiro ainda ter o que comemorar na temporada. O treinador assume a equipe na penúltima colocação da Série B do Campeonato Brasileiro com a missão de reerguê-la. Diante do Operário-PR, às 21h30 desta terça-feira, no Estádio Fernando Kruger, em Ponta Grossa, o experiente técnico inicia seu maior desafio num clube.

Quebrar a série de quatro jogos sem triunfos na Série B e engatar sequência de vitórias se faz necessário para o Cruzeiro não apenas se afugentar das últimas posições, como também resgatar a esperança de imediato retorno à elite.

Ganhar, contudo, tem sido algo raro na divisão de acesso aos cruzeirenses. Em 16 jogos na Série B, triunfou apenas em cinco. Três deles nas rodadas iniciais. Depois, partiu ladeira abaixo.

Matemáticos colocam os mineiros com somente 1% de chance de acesso. Felipão se agarra ao discurso de que “enquanto há chances, vamos lutar” para motivar seus jogadores a uma reviravolta na Série B.

São apenas dois pontos de distância do Náutico, primeiro fora da zona da degola. Mas 14 para a Ponte Preta, a última do G-4, o grande sonho dos mineiros.

Felipão precisará de um aproveitamento superior ao de campeão para terminar entre os quatro primeiros. Desde 2006, quando a Série B passou a ser disputada no atual formato, nunca um time com 13 pontos após 16 rodadas conseguiu terminar entre os quatro primeiros. O Cruzeiro precisa vencer 17 dos 22 jogos restantes para voltar à Série A em 2021.

Espelhado pela bela arrancada que teve com o Palmeiras no título Brasileiro de 2018, ele inicia o trabalho tentando repetir aquelas oito vitórias seguidas com os paulistas.

Desde o acerto, na semana passada, Felipão vem frisando a grandeza do Cruzeiro e jurando que o time não ficará na Série B. “O momento atual é um pouco diferente, mas nós vamos trabalhar para mudá-lo.”

Desfalque

Com a covid-19, o experiente zagueiro Manoel desfalca o time. Como Léo já está machucado faz um tempo, a defesa terá os jovens Cacá e Paulo.
Na nona colocação, com 22 pontos, o Operário precisa ganhar do Cruzeiro para se reaproximar ao G-4. Os paranaenses vinham brigando pelo acesso, mas dois tropeços seguidos fizeram a distância ao G-4 subir para cinco pontos.

O time buscará a reabilitação após ter sido goleado em Maceió, pelo CRB, por 4 a 1, na rodada passada. E aposta no fator casa para voltar a ganhar. O técnico Gerson Gusmão não terá o meia Pedro Ken, suspenso, além de Tomas Bastos e Chorão, infectados com a covid-19.

Operário x Cruzeiro

Operário: Thiago Braga; Sávio, Bonfim, Reniê e Fabiano; Mazinho, Marcelo, Clayton e Thomaz (Jiménez ou Lucas Batatinha); Douglas Coutinho e Jefinho (Schumacher). Técnico: Gerson Gusmão

Cruzeiro: Fábio; Rafael Luiz, Ramon, Cacá e Matheus Pereira; Jadsom, Filipe Machado, Régis (Maurício); Airton, Arthur Caíke (Welinton) e Sassá (Marcelo Moreno). Técnico: Felipão

Motivo: 17ª rodada – Campeonato Brasileiro Série B

Data: 20 de outubro de 2020, terça-feira, às 21h30

Local: Estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa (PR)

Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)

Auxiliares: Alessandro Álvaro Oliveira Pereira (BA) e Edevan de Oliveira Pereira (BA)

Por: Agência Estado/Itatiaia BH

Compartilhar via: