TIMÓTEO CLIMA

Atlético vence Cruzeiro, amplia domínio em Minas e fatura tricampeonato após quase quatro décadas

Hulk foi mais uma vez decisivo marcando dois gols. | Foto: Pedro Souza / Atlético

O Atlético é tricampeão Mineiro. Em jogo festivo no Mineirão, que voltou a ficar dividido entre as duas torcidas após cinco anos, o Galo se impôs sobre o Cruzeiro e venceu por 3 a 1, na tarde deste sábado, na final única do Estadual. Melhor campanha do campeonato, o time alvinegro fez valer o favoritismo e sagrou-se campeão pela terceira vez seguida após 39 anos.

Mais uma vez, Hulk foi o destaque do jogo ao marcar dois gols. Nacho Fernández também deixou sua marca. Edu descontou para o Cruzeiro no fim da partida.

É o 47º título Estadual do Galo na história, e o clube alvinegro amplia a hegemonia em Minas, já que o Cruzeiro permanece com 38 troféus.

Com a taça conquistada neste ano, o Atlético voltou a erguer o tricampeonato depois de 39 anos. A última vez foi em 1981, 1982 e 1983, quando o clube havia levado o hexa de 1978 a 1983.

Agora, o Atlético não terá muito tempo para comemorar. Na próxima quarta-feira (6), às 21h (horário de Brasília), o Galo estreia na Copa Libertadores contra o Tolima, na Colômbia, pela primeira rodada do Grupo D.

Já o Cruzeiro vai ter que voltar as atenções para a estreia na Série B do Campeonato Brasileiro. A equipe celeste entra em campo na próxima sexta-feira (8), às 21h30, diante do Bahia, em Salvador.

Começo de jogo equilibrado 

O Atlético entrou em campo com Réver na zaga ao lado de Nathan Silva. O técnico Antonio Mohamed não pôde contar com o uruguaio Diego Godin, com dores no joelho, e com o atacante chileno Eduardo Vargas, com uma virose.

Já no lado do Cruzeiro, Paulo Pezzolano fez duas modificações por opção técnica. Iniciaram a partida o meio-campista Pedro Castro e o atacante Vitor Leque nas vagas de João Paulo e Waguininho.

O Galo começou pressionando e forçou o erro do Cruzeiro. O goleiro Rafael Cabral falhou na saída de bola e entregou para Nacho. O argentino achou Hulk que invadiu a área e bateu cruzado, mas o camisa 1 celeste se redimiu e fez grande defesa. No rebote, Keno chutou de longe, mas o arqueiro segurou firme.

A Raposa respondeu em cabeçada de Edu que passou rente à trave. Logo depois, Pedro Castro arriscou da entrada da área e Everson espalmou de forma estranha. No rebote, Edu bateu para mais uma defesa do goleiro atleticano. Contudo, o camisa 99 já estava em posição irregular.

Confusão entre Réver e Edu 

Aos 24 minutos da etapa inicial, Réver e Edu se estranharam perto da área do Atlético gerando uma discussão mais acalorada entre eles. Os jogadores dos dois times chegaram para separar a briga e se envolveram na confusão. Após os ânimos se acalmarem, o árbitro Felipe Fernandes de Lima mostrou cartão amarelo para os dois atletas.

Pressão do Galo e gol de Hulk 

Em busca do primeiro gol, a equipe alvinegra demorou para entrar na partida. Quando começou a jogar, quase abriu o placar após ótima jogada de Keno pela esquerda que terminou nos pés de Hulk e ótima defesa de Rafael Cabral.

A pressão atleticana se intensificava e o Galo foi premiado com o gol aos 30 minutos. Hulk recebeu a bola pela ponta direita, levou para o meio e, mesmo marcado em cima por Brock, arrumou espaço para bater de esquerda e acertar o cantinho de Rafael Cabral, que ficou sem reação.

Raposa quase empata em letra de Pedro Castro 

Após sair atrás no placar, o Cruzeiro precisava se lançar ao ataque e quase empatou em dois lances. No primeiro, Pedro Castro recebeu cruzamento rasteiro na área e finalizou de letra, mas Everson se esticou todo para evitar o gol celeste. Na sequência, Edu bateu forte cruzado obrigando o goleiro atleticano a salvar o Galo mais uma vez.

Domínio celeste, mas gol do Atlético 

Na etapa final, o Cruzeiro dominou as ações em busca do empate e criou as melhores chances em uma cabeçada de Edu para fora e em uma bomba de Waguininho de longe que Everson defendeu.

Apesar da pressão celeste, foi o Galo que balançou as redes. Aos 19 minutos, Hulk descolou passe para Nacho, que invadiu a área, driblou Rômulo e encheu o pé, sem chances para Rafael Cabral.

Nacho também marcou um gol na decisão. | Foto: Pedro Souza / Atlético

Falha de Oliveira e outro gol de Hulk 

O camisa 7 do Atlético estava impossível. Último homem, o zagueiro Oliveira falhou no domínio da bola no meio-campo e Hulk tomou a frente. O atacante alvinegro avançou em velocidade e caiu na área após contato com o goleiro Rafael Cabral. O árbitro demorou um pouco, mas marcou o pênalti. O artilheiro do Campeonato Mineiro foi para a cobrança e marcou o terceiro do Galo, o segundo dele no clássico.

Edu desconta no fim para Cruzeiro 

Aos 44 minutos, Edu aproveitou cobrança de escanteio e marcou de cabeça diminuindo a diferença no placar. No entanto, não havia muito mais tempo e o Atlético soltou o grito de campeão no Mineirão.

ATLÉTICO 3 x 1 CRUZEIRO  

Atlético: Everson; Mariano, Nathan Silva, Réver e Arana; Allan (Otávio), Jair (Sasha), Nacho (Junior Alonso) e Zaracho; Keno (Ademir) e Hulk. Técnico: Antonio Mohamed

Cruzeiro: Rafael Cabral; Rômulo, Oliveira, Eduardo Brock e Rafael Santos; Willian Oliveira (Miticov), Fernando Canesin (Adriano) e Pedro Castro (João Paulo); Vitor Leque (Waguininho), Vitor Roque (Daniel Junior) e Edu. Técnico: Paulo Pezzolano

Motivo: jogo único – final do Campeonato Mineiro
Data: sábado, 2 de abril de 2022
Horário: 16h30
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Gols: Hulk (30’/1º, pênalti – 35’/2º), Nacho (19’/2º), Edu (44’/2º)

Cartão Amarelo: Réver, Nacho, Allan (Atlético); Edu, Willian Oliveira, Rafael Cabral (Cruzeiro)

Árbitro: Felipe Fernandes de Lima
Assistentes: Guilherme Dias Camilo / Celso Luiz da Silva
VAR: Emerson de Almeida Ferreira

Público: 53.572
Renda: R$ 4.851.600,00

 

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Desenvolvido por Vale Telecom