Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

A disputa judicial entre Fred e Cruzeiro tem mais um capítulo. O centroavante, atualmente no Fluminense, recorreu à Justiça Comum para receber R$3.354.726,07 de direito de imagem. Em decisão da última quinta-feira (16), a juíza Maria Clara Lousada Figueiredo, da 19ª Vara Cível de Belo Horizonte do Tribunal de Justiça do Estado do Minas Gerais (TJMG), deu o prazo de três dias para que o clube mineiro efetue o pagamento. O Cruzeiro ainda pode recorrer. A informação foi divulgada pelo Esporte News Mundo e confirmada pela Itatiaia.

A magistrada também deu prazo de 15 dias para o Cruzeiro oferecer embargos ou iniciar o pagamento do valor em até seis vezes, com a condição de um sinal de 30% do valor da causa (R$ 1,2 milhão aproximadamente) no início do parcelamento. O prazo já está correndo.

Em caso de descumprimento, o clube pode ter bens penhorados, para garantir a execução da decisão da Justiça.

O contrato de direitos de imagem entre Fred e Cruzeiro foi firmado em dezembro de 2017 via Seven Sports Empreendimentos e Participações LTDA, empresa que tem como sócios o próprio atacante e o irmão dele, Rodrigo Chaves de Melo.

Na petição, a empresa informa que o pagamento foi acertado em vinte parcelas, a começar em 20 de março de 2018, no valor de R$ 124,5 mil. No entanto, o clube celeste teria quitado apenas parte da primeira parcela no valor de R$ 113.108,25.

Mágoa

Em nota publicada nas redes sociais na última segunda-feira (20), Fred se pronunciou oficialmente sobre sua saída do Cruzeiro e a ação que move contra o clube na Justiça do Trabalho, pedindo R$ 70 milhões. O camisa 9 do Fluminense explicou que não costuma discutir via imprensa, mas que o presidente Sérgio Santos Rodrigues, em declarações recentes, “tem ultrapassado a sutil barreira que separa a liberdade de expressão do respeito à dignidade de um profissional”.

Em live na última quinta-feira, o mandatário celeste disse que o contrato de Fred, firmado pela antiga gestão de Wagner Pires de Sá e Itair Machado, era “tenebroso”, para falar o mínimo, pois não poderia dizer que era “criminoso”.

Fred fala em politização do caso, dizendo que Sérgio Rodrigues tenta “transferir a responsabilidade pelo cumprimento de obrigações validamente assumidas pela instituição a dois antigos integrantes da administração passada”. O jogador foi além e completou: “Se esse será o caminho, cabe apenas à justiça a decisão final”.

O atacante disse que, antes de acionar a Justiça, tentou negociar com o Conselho Gestor uma readequação salarial, mas que “nunca obteve retorno”. O jogador afirmou ainda que a rescisão indireta do contrato foi o único caminho que restou para conseguir deixar o Cruzeiro.

Em fevereiro deste ano, Fred obteve uma liminar na Justiça para rescindir o contrato de forma unilateral com o Cruzeiro. Em seguida, o jogador entrou com ação contra o clube pedindo mais de R$ 70 milhões entre atrasos no pagamento dos salários, multa pela rescisão indireta do vínculo e o não cumprimento de benefícios pactuados na assinatura do contrato, no fim de dezembro de 2017. No fim de maio, foi anunciado como novo reforço do Fluminense.

(Itatiaia BH)

Compartilhar via: