TIMÓTEO CLIMA

Papa denuncia perverso abuso de poder na guerra e pede ajuda à Ucrânia

Ucrânia foi ferida em sua 'identidade e história', diz Papa | Foto: Vatican Media/Divulgação

Sem mencionar a Rússia ou Vladimir Putin como agressores diretamente, o papa Francisco denunciou nesta sexta-feira, 18, o “perverso abuso de poder” exibido na guerra na Ucrânia e pediu ajuda para os ucranianos que, segundo ele, foram atacados em sua “identidade, história e tradição”.

Os comentários de Francisco, em uma mensagem para uma reunião de representantes católicos europeus, marcaram alguns de suas declarações mais fortes até agora ao afirmar o direito da Ucrânia de existir como um estado soberano e de se defender contra a invasão da Rússia.

O papa evitou cuidadosamente mencionar Putin, ou mesmo a própria Rússia, como agressor. E embora tenha dito que quem justifica a violência com motivações religiosas “profana o nome” de Deus, ele evitou críticas ao principal defensor e apologista religioso da guerra, o patriarca Kirill da Igreja Ortodoxa Russa.

Kirill, que é próximo de Putin e disse que sua liderança é “um milagre de Deus”, justificou a guerra como necessária para impedir a propagação de “paradas gays” do Ocidente em território cristão.

Ao contrário de alguns nacionalistas europeus, que subitamente deixaram de lado o nome de Putin para evitar lembrar aos eleitores que pertenciam ao fã-clube do líder russo, a motivação de Francisco vem de sua caminhada na linha tênue entre consciência global, player diplomático do mundo real e líder religioso responsável pela segurança de seu próprio rebanho.

No entanto, alguns de seus próprios bispos e outros apoiadores da Igreja Católica Romana querem que ele cite nomes, e os historiadores dizem que o pontífice corre o risco de escorregar de seu alto terreno moral e entrar em um espaço obscuro ocupado proeminentemente pelo papa Pio XII, o papa da guerra que evitou falar criticamente de Hitler e das potências do Eixo quando a Alemanha invadiu a Polônia e, eventualmente, perpetrou o Holocausto.

“De muitas maneiras, a situação atual do papa lembra a situação que Pio XII enfrentou”, disse David I. Kertzer, historiador do Vaticano e da Itália cujo novo livro, O Papa em Guerra, sobre Pio XII, Mussolini e Hitler, será publicado em junho.

Linguagem genérica

Kertzer disse que Pio XII também procurou equilibrar os interesses internos e a demanda pública para falar enquanto resistiu à grande pressão para denunciar Hitler. Em vez disso, ele usou uma linguagem genérica sobre os horrores da guerra, que Kertzer disse que agora Francisco está ecoando. “A posição que ele está tomando, ou não, não é isenta de riscos”, observou Kertzer.

Um editorial recente do National Catholic Reporter, que geralmente simpatiza com Francisco, instou o papa a citar Putin. “O que quer que esteja acontecendo nos bastidores, é hora de Francisco falar a verdade sobre o ataque assassino à Ucrânia”, disse, acrescentando: “É hora de chamar as coisas como elas são. Esta é a guerra de Putin e é uma maldade.”

O Vaticano saiu em defesa de Francisco. Um editorial de primeira página na segunda-feira no jornal diário do Vaticano, L’Osservatore Romano, afirmou: “Francisco tem sido alvo de críticas daqueles que esperam que, em suas declarações públicas, ele nomeie explicitamente Vladimir Putin e a Rússia, como se as palavras de o pastor de uma igreja universal devessem refletir as frases de efeito de um programa de notícias da televisão”.

O editorial, escrito por Andrea Tornielli, um influente funcionário do Vaticano, manteve um tom amargo. Ele argumentou que os papas evitam nomear os agressores “não por covardia ou excesso de prudência diplomática, mas para não fechar a porta, para deixar sempre uma fresta aberta para a possibilidade de parar o mal e salvar vidas humanas”

 

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Desenvolvido por Vale Telecom