TIMÓTEO CLIMA

Parlamento da Rússia aprova lei que impede o funcionamento da mídia independente no país

Foto: Pixabay

A Duma, o Parlamento baixo da Rússia, aprovou em terceira votação nesta terça-feira (22) a lei de comunicação que pune jornalistas ou qualquer profissional de comunicação que publicar “notícias falsas” sobre a “ação russa em outros países”, como na guerra contra a Ucrânia.

As penas para quem publicar notícias que não estejam alinhadas com o discurso de governo podem chegar a 15 anos de prisão e há ampliação de uma outra medida aprovada pela Duma no início de março.

Na prática, a nova lei impede o funcionamento da mídia independente.

O texto afirma que haverá punição “para quem fizer a difusão pública de informações conscientemente falsas feitas para parecerem informações confiáveis […] sobre as atividades russas fora de seu próprio território”.

Agora, o texto segue para a tramitação formal do Conselho da Federação, câmara alta, e será sancionado pelo presidente Vladimir Putin.

Desde que a guerra na Ucrânia começou, em 24 de fevereiro, o Kremlin proíbe que o conflito seja chamado por seu nome real, sendo obrigatório dizer que o que ocorre no país vizinho é uma “operação militar especial”. Além disso, Putin baixou um decreto de censura que, praticamente, tirou do ar as poucas emissoras e sites de notícias independentes.

Os russos, segundo diversos relatos de parentes e amigos que vivem na Ucrânia ou em outros países ocidentais, vêm sendo informados apenas que o país está “desnazificando” a nação vizinha e que são os “nacionalistas ucranianos” que fazem ataques contra civis.

 

 

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Desenvolvido por Vale Telecom