Foto: Google Street View

O primeiro óbito envolvendo o quadro clínico misterioso foi registrado em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira. O bancário Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, que é natural de Ubá, morreu na noite dessa terça-feira (7) na Santa Casa de Misericórdia, onde estava internado desde 31 de dezembro.

A morte foi confirmada à reportagem pela assessoria de imprensa da prefeitura de Juiz de Fora. Além dele, outras seis pessoas seguem em internadas. Desses, cinco pacientes são belo-horizontinos e um é de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Conforme apurado pela Itatiaia, Paschoal passou o Natal no bairro Buritis, região Oeste da capital mineira. Os demais internados também têm relação com o bairro. Inúmeras possibilidades de intoxicação foram levantadas, contudo nenhuma confirmada.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que “as investigações seguem seu curso”. A pasta também comunica que uma força-tarefa composta por técnicos e participação do Ministério da Saúde foi criada.

Conforme o subsecretário em Vigilância e Saúde, Dario Broque Ramalho, exames investigam a possibilidade de “intoxicação exógena e se os pacientes tiveram exposição a alguma substância tóxica”.

Todos os pacientes são do sexo masculino, com idades entre 23 e 76 anos, e apresentaram como sintomas insuficiência renal aguda de rápida evolução (até 72 horas) e alterações neurológicas.

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) enviou equipes da Vigilância Sanitária às residências das vítimas para recolher alimentos para análise laboratorial. Um inquérito epidemiológico foi aberto. (Itatiaia BH)

Compartilhar via: