Em entrevista à Itatiaia, atacante também contou que teve medo de não ter muitos cruzeirenses no Mineirão no seu último jogo da carreira: ‘falava que não iria ninguém, pra não fazer isso, que eu iria passar vergonha’

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

REDE ITATIAIA – Após se despedir no gramado do Mineirão na vitória do Cruzeiro sobre o Brusque, o atacante Rafael Sóbis foi convencido a mudar de ideia e fará seu último jogo da carreira nesta quinta-feira (25) contra o Náutico, pela derradeira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Em entrevista ao programa Bastidores, da Rádio Itatiaia, o jogador, de 36 anos, revelou que pediu ao clube celeste para que funcionários da Toca da Raposa II pudessem estar presentes na despedida.

Outro pedido de Sóbis foi para ter ingressos a preços populares e com doação de alimentos.

“A ideia é eu tentar recompensar e agradecer as pessoas que me ajudaram. Eu fiz o pedido de que fosse o máximo de funcionários da Toca II, não sei se será possível ir todo mundo. Cada um tem seus afazeres, a Toca tem que funcionar também. Pedi preços populares para ir o máximo de gente possível porque a renda também é importante para o clube neste momento. E alguma ação social, porque talvez seja a minha última oportunidade de poder ajudar bastante gente. Vou continuar ajudando as pessoas, mas neste caso é uma boa oportunidade. Então, é bom pra todo mundo, bom pra quem precisa, bom que os preços são populares, bom para o clube que terá uma renda em seu último jogo. Na minha cabeça, acho que consegui ajudar o máximo de pessoas possível sem atrapalhar ninguém nas suas coisas”, disse.

Os valores dos ingressos variam de R$ 10 a R$ 100. Para todos os setores haverá a modalidade meia-solidária, onde o torcedor paga metade do valor e deve apresentar 1 kg de alimento não perecível. Mas os bilhetes mais baratos (setores Amarelo Superior/Inferior e Vermelho Superior, vendidos de R$ 10 a R$ 40) já esgotaram.

A expectativa é que o Mineirão esteja cheio para o jogo de despedida de Sóbis, que ficou com receio de voltar atrás na aposentadoria por temer não ter muitos torcedores em sua última partida como jogador profissional.

“Um dos meus medos era esse. Eu falei que o pessoal não vai por mim porque eu não sou o Fábio, o Léo, o Henrique, que tiveram uma história muito maior. Sinceramente, me deixa muito feliz, de olhar pra trás e ver que a carreira foi boa, mas, acima de tudo, que eu fui correto com todo mundo no geral. As pessoas estão indo porque, claro, amam o Cruzeiro, alguns gostam do Rafael, outros querem me dar tchau mesmo. Mas eu recebo com muita surpresa e felicidade essa procura [pelos ingressos]. Como disse, eu tinha medo e falava com o pessoal: ‘não vai ninguém, não faz isso, vou passar vergonha. Medo, normal, né?”, revelou.

Sóbis ainda lamentou o fato de não poder contar com familiares e amigos no Mineirão. O jogo, antes marcado para domingo (28), foi antecipado pela CBF para quinta-feira (25) e “atrapalhou” os planos do atacante.

“Meus familiares opinaram muito sobre ter esse jogo [de despedida]. No fim das contas não poderei tê-lo, porque o jogo passou pra quinta-feira e ferrou tudo. Meus filhos não poderão vir porque estão em provas escolares, amigos do Sul também não poderão vir. A festa não será completa pra mim no pessoal”, observou.

 

 

 

 

 

 

Compartilhar via: