Por: Itatiaia

Foto: Cadu Rolim/ Agência Estadão

Três meses se passaram desde 25 de janeiro, quando a barragem I, da mineradora Vale, se rompeu em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A tragédia, que foi a maior envolvendo estruturas de rejeito em todo mundo, deixou, até o momento, 233 mortos – 37 pessoas ainda não foram encontradas.

O trabalho de busca pelas vítimas segue sendo realizado pelo Corpo de Bombeiros e a data para o fim das operações é bem definida: “Quando tivermos encontrado todas as pessoas que foram vítimas dessa tragédia”, detalha o tenente Manoel de Jesus Braga.

A maneira como os regates são feitos se alterou muito ao longo dos três meses. “A primeira etapa foi aquela de buscas ainda por sobreviventes, com apoio intenso de aeronaves. Em um segundo momento, a gente teve buscas superficiais, com bombeiros rastejando na lama, com ajuda de cães. Em um terceiro momento, que diminuíram as buscas na superfície do rejeito, nós passamos a utilizar maquinário para abrir frente de trabalho e conseguir uma infraestrutura para inserir o maquinário de grande porte”, explica Manoel.

Na atual fase, além de máquinas para a retirada do rejeito, cães farejadores são utilizados para auxiliar na localização de seguimentos corpóreos. Todo o trabalho é cauteloso, já que em alguns pontos, ao longo dos 10 quilômetros atingidos pelo rejeito, a lama chega a 20 metros de profundidade.

A incerteza sobre os efeitos de tantas substâncias juntas e concentradas é preocupação. “Existe uma política interna, de exposição de apenas 21 dias de emprego no campo. São sete dias de trabalho, revezados com sete dias de folga, até completar 21 dias, efetivos, de exposição. Diversos exames são feitos para identificar possíveis alterações nos níveis de metais no sangue”, destaca o tenente.

Até esta quarta-feira (24), 250 bombeiros militares, quatro cães, 24 frentes de trabalho e 97 máquinas pesadadas atuavam no trabalho de recuperação dos corpos. O trabalho de identificação dos corpos conta com a participação da Polícia Civil (PC).

Compartilhar via: